CulturaMeio Ambiente

Jeito Indígena de Ser

O ciclo da vida é simples, ele viaja da morte até o renascimento e toda a nossa experiência de vida e aprendizado é feita entre estas etapas. O povo Lakota, Nativo Norte Americanos, tem um princípio fundamental que rege suas vidas e experiências na Terra: Viva para as gerações que ainda não nasceram.Live for the generations unborn.”
Autossustentável: Índio abraçando árvore
Imagem: Pinterest
Hoje estamos sofrendo os impactos de gerações e ancestrais desconectados da natureza. Apesar de enxergarmos esse desequilíbrio continuamos agindo de maneira predatória, deixando como herança poluição, escassez de recursos, crises climáticas, agricultura tóxica e doenças. Agimos ainda pior que as gerações que tanto criticamos.
A nova era, para qual estamos transitando, é o renascimento de práticas tradicionais à luz de tempos contemporâneos. É uma transição para honrar a Terra e todos os seus filhos. O modo de vida dos povos Nativo Americanos envolve respeitar a Terra e todos os seus habitantes. Eles escutam os ventos, o reconhecendo como poder do Grande Espírito, que pode mudar a realidade na Terra. Escutam a sabedoria das árvores das quais chamam standing people (o povo de pé) e as enxergam como guardiões, extremamente sábias, os anciãos da Terra. Os Povos Nativos detêm a sabedoria da natureza, a linguagem secreta da floresta.
O vídeo a seguir, How Wolf Change Rivers, retrata a conexão entre as espécies e a complexidade deste relacionamento.

Na cosmologia indígena, espiritualidade permeia todos os aspectos da vida, não existe separação. Povos indígenas agradecem a natureza por prover com abundância, cuidar das necessidades de suas famílias e pelos ensinamentos espirituais.
De acordo com Joseph Epes Brown, Nativos Americanos insistem que as músicas e cantos usados em suas cerimônias não foram nunca compostos, mas sim oferecidas pelos espíritos.[1]Angeles Arrien, antropóloga e autora do livro The Four Fold Way descreve como curandeiros indígenas ao redor do mundo fazem o uso de música, ritmo e canto nas suas práticas espirituais. A antropóloga também afirma que a música é uma das quatro maneiras universais para a prática da cura e conexão, bem como: contar histórias, dançar e o silêncio.

Autossustentável: Povo Lakota
Para os povos indígenas Norte Americanos “medicina” significa mais que uma substância capaz de restaurar saúde e vitalidade a um corpo doente ou desajustado. Medicina é energia, um poder vital ou força que é inerente a própria Natureza. A medicina de uma pessoa é seu próprio poder e expressão de sua própria energia vital. Segundo o autor Kenneth Meadow, a palavra medicina é usada pelos povos Nativos Americanos para implicar empoderamento que surge de dentro e permite ao indivíduo se tornar mais completo. Esse empoderamento o conecta com a Terra e com a realidade física, realidade sendo o cosmos.[2]
A anciã do povo Lakota, Loretta Afraid of Bear Cook, afirmou em sua palestra na Schumacher College que apesar de todas as tentativas de desmantelar a sua cultura, seu povo trabalha para manter seus ensinamentos e tradições vivos, pois eles acreditam que irá chegar um momento em que o mundo vai perguntar aos povos indígenas o que fazer. E quando este dia chegar seu povo deve compartilhar sua sabedoria. Será que este dia já chegou?
Ao investigar as tradições celtas, tribos que coletivamente cobriram a Europa Ocidental, os povos africanos ou nativos das Américas é possível aprender a verdadeira essência do nosso ser, o pertencimento e profundo relacionamento com a Terra. Os povos indígenas sabem que são seres sagrados, pois não se enxergam como separados ou menores que o Criador. Eles são colaboradores da evolução e não competidores.

Autossustentável: Geração Índios
Imagem: David Lazar
Nós, mulheres e homens contemporâneos, rompemos e reprimimos nosso elo com a Terra. Vivemos uma profunda crise espiritual. Agora é o tempo para entendermos que espiritualidade não depende de nenhum governo, organização, ideologia, doutrina, religião ou igreja. Depende só de nós mesmos, da nossa experiência humana. Ao retornar o sagrado para nossas vidas a consciência sobre nosso propósito na Terra é ampliado alcançando todo o mundo natural e a comunidade não humana.
Nós precisamos retornar ao jeito indígena de ser, e isto não significa só viver na floresta. O jeito indígena de ser é andar como ser sagrado, é sentir a presença da Criação em todos os aspectos das nossas vidas. Talvez não vivamos o suficiente para ver a Terra restaurada, mas precisamos começar a retornar ao nosso modo indígena de ser em nome das gerações que ainda estão por vir.

[1] Brown, Joseph Epes, Teaching Spirits, Oxford University Press, 2001. p. 35
[2]Para mais informações nas medicinas Nativo Americanas recomendo o livro Earth Medicine, do mesmo autor, que é baseado nos ensinamentos da medicine wheel, roda de cura, dos indígenas Norte Americanos e sua correlação com os ensinamentos taoistas do leste, sabedoria xamânica dos caucasianos da Grã Bretanha, Norte Europeu e Escandinávia.


Clique aqui para ler mais sobre artigos de Maria Eduarda Souza


Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *