ConsumoCulturaSemana Temática

Resíduo Zero nas Escolas: projeto evita que toneladas de resíduos orgânicos vão para aterro sanitário

Sempre sublinhamos a importância de projetos de educação ambiental dialogarem com a realidade dos locais onde são implantados, para que possam surtir efeito não apenas a curto, mas também a longo prazo. E quando esses projetos envolvem a mudança de hábitos de uma comunidade ou município em prol do menor impacto ambiental e melhoria da qualidade de vida é uma das coisas mais lindas de se ver.

Esse é o caso do “Resíduo Zero nas Escolas”, um programa de educação ambiental da prefeitura de Ilhabela desenvolvido pela Secretaria de Educação em conjunto com a empresa Morada da Floresta. O projeto voltado para conscientização das crianças sobre o consumo sustentável, a alimentação saudável e descarte correto do lixo reciclável e não reciclável, ainda incentiva a criação de hortas orgânicas no ambiente escolar e familiar. Sim! O projeto também envolveu a capacitação de professores e a participação dos pais das crianças, fazendo com que o mesmo ultrapassasse os muros das escolas chegando a lares e comunidades. A ilha município que passa por um momento delicado com problemas relacionados a saneamento básico, impediu através do projeto que 145 toneladas de resíduos orgânicos (restos de alimentos) fossem para aterro sanitário.

Descarte
Imagem: Creative Commons

O projeto “Resíduo Zero nas Escolas” foi implantado em duas fases: em um primeiro momento 14 escolas receberam cilindros para compostagem termofílica; e posteriormente 25 escolas receberam composteiras com minhocas, devido ao menor espaço físico e também a menor geração de resíduos.  Além disso, as escolas receberam balanças para medição da quantidade de resíduos destinados a compostagem, termômetros para monitoramento e ferramentas para manejo do solo. E buscando a transversalidade e interdisciplinariedade que deve existir em programas de educação ambiental, foram desenvolvidas atividades relacionando a compostagem as disciplinas curriculares das escolas como química, biologia, matemática, artes, dentre outras.

Imagem: Repórter Online Litoral

Conforme informações da Folha de São Paulo, além do envolvimento dos pais no processo de implantação do projeto, também foram realizadas oficinas para a vizinhança. Além da consciência com o descarte correto dos resíduos, houve um incentivo ao cultivo de hortas nas escolas. E os números do projeto são impressionantes! Em 11 meses de projeto cerca de 7 mil pessoas foram diretamente atingidas pelo projeto, entre alunos (6.155) e funcionários (825). Foram geradas 58 toneladas de composto – em geral, o composto representa 40% do total do resíduo orgânico colocado para compostar.

Com informações: Folha de São Paulo, Ilhabela.com.br, Maxpress, Prefeitura de Ilhabela, Tudo em Ilhabela.

 

 

Tags:

2 comentários

  1. Oi Nathália, tudo bem? Parabéns pela matéria! Gostaria apenas de fazer uma correção na citação das fontes, nosso portal é o Ilhabela.com.br (como linkado), e não Ilhabela.com 😉 Obrigada!

    1. Olá Cristina!
      O link para o portal estava correto, apenas o endereço que aparecia como “Ilhabela.com”. Mas isso já foi alterado.

      Abraços!

Deixe uma resposta para Cristina Morgato Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *