Cultura

O Surgimento do Self Ecológico

Explorando como a conexão da natureza contribui para o nosso bem-estar e como podemos desenvolver um sentimento de pertencimento à Terra e à comunidade humana.

Todos os dias mais e mais crianças estão saindo da floresta. O impacto da natureza na saúde de crianças (e de adultos) foi comprovado através de inúmeras pesquisas. Estudos sugeriram que o contato com a natureza melhora a saúde mental, saúde cardíaca, controle de peso, estresse e TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade). Experiências de aprendizagem ao ar livre também são conhecidas por ensinar habilidades vitais críticas e criatividade. A imersão na natureza é um conceito central na infância e desenvolveresiliência e risco. Estas são todas experiências importantes que nutrem a vida de uma criança, no entanto, a conexão com a natureza vai além disso.

É crucial discernir a diferença entre a conexão com natureza e o contato com a natureza. O contato com a natureza poderia ocorrer ao caminhar com seu cachorro ou correr em um parque. Trata-se de estar em ambientes naturais, por exemplo, fazer uma caminhada, acampar, passar um tempo na praia ou ter uma aula de educação ambiental. Em situações como essas,se está em contato direto com a natureza, mas isso não significa necessariamente estar em conexão com a natureza. No entanto, o contato com a natureza é imperativo para a saúde e pode ser um portal para uma conexão mais profunda.

Imagem: This Dream Catcher

A conexão com a natureza está preocupada com valores e sentimentos que são experimentados intuitivamente e não racionalmente. Não se trata apenas de estar em lugares naturais, mas de se tornar um com ele. Através de práticas de conexão com a natureza, as crianças podem desenvolver a consciência de que somos parte do mundo natural, fazemos parte de uma rede de relacionamentos inseparáveis. “Somos como as células no corpo do vasto organismo vivo que é o planeta Terra”, explica o psicólogo americano Ralph Metzner (1993) em seu artigo “The Split Between Spirit and Nature in Europe Consciousness”. A compreensão deste complexo sistema interconectado pode ser desenvolvida desde cedo e está baseada em um vínculo íntimo com o mundo natural.

 

Mudando velhas mentalidades

Séculos se passaram, no entanto, a sociedade dominante ainda é guiada pela mentalidade de Francis Bacon (1571-1626) que afirmou: “A natureza toma ordens do homem e trabalha sob sua autoridade”. Nesta perspectiva, assume-se que a natureza tem um valor instrumental para os seres humanos e que temos soberania sobre o mundo natural. Os ensinamentos de Bacon colocam os seres humanos desconectados da natureza, percebendo e explorando o mundo natural, como recursos. A conexão com a natureza questiona este paradigma e começa a explorar uma visão de mundo ecocêntrica ou biocêntrica, onde a natureza está no centro das nossas relações.

Imagem: Pinterest

Este novo paradigma inclui a reformulação da identidade humana, isto é, a forma como nos percebemos e a forma como percebemos o que nos rodeia. A conexão com a natureza cria uma relação qualitativa com o mundo natural e nutre uma identidade ecológica.

 

O Self Ecológico

A noção do Self Ecológico foi criada pelo filósofo e ecologista norueguês Arne Naess em 1973. A ecopsicóloga Joanna Macy descreve o Self Ecológico como o “senso mais amplo de identidade que surge quando o interesse próprio inclui o mundo natural”. Macy também afirma que, quando incluímos o mundo natural, somos trazidos para uma história muito maior de quem e o que somos. Ao nos reconhecer como parte do corpo vivo da Terra, estamos abertos a um estado de bem-estar. Em oposição ao conceito de saúde física, o bem-estar não pode ser medido em termos quantitativos. É subjetivo à identidade e aos valores de uma pessoa. O bem-estar é entendido aqui como “sentimentos e crenças internas intuitivas que dão propósito, significado e valores à vida”, descrição de John W. Fisher, PhD em seu artigo “The Four Domains Model: Connecting Spirituality, Health and Well-Being”. Com o apoio coletivo, as crianças podem começar a cultivar o Self Ecológico e reconhecer que o mundo natural não se baseia na separação. A natureza está dentro, assim como fora.

Imagem: Pinterest

Não há limites entre o eu e a comunidade humana maior ou a comunidade mais do que humana. As barreiras da individualidade são uma experiência de construção social na sociedade dominante. A conexão com a natureza significa tomar consciência de que o mundo natural é um com a comunidade humana, somos um em si mesmo.

O desenvolvimento inicial do Self Ecológico forma a visão de mundo de uma criança e implica uma profunda transformação de valores. Em um paradigma biocêntrico, é mais provável que um se mantenha comprometido e considere o mundo natural em suas ações diárias e futuras. Como Arne Naess afirma: “Se a realidade é experimentada pelo Self Ecológico, nosso comportamento segue naturalmente e belamente as normas de uma ética ambiental rigorosa”.

 

Estar em um com a natureza

A conexão com a natureza desenvolve uma compreensão de igualdade, isto é, na biosfera, todas as coisas têm o mesmo direito de viver e de viver como partes de um todo interconectado. Não se deve separar os seres humanos da natureza. Através da conexão com o mundo natural, percebe-se o valor intrínseco da natureza, entendendo como o mundo natural deve ser visto como um sujeito, independentemente da sua utilidade para os seres humanos.

A conexão com a natureza entre as crianças é essencial para a sustentabilidade do nosso planeta e seu bem-estar. Como educadores, podemos facilitar o encontro das crianças com a natureza, orientando-as para o mundo natural e apoiando suas experiências de sucesso. Essas práticas são originárias do conhecimento indígena tradicional e não são lições ou atividades, mas hábitos de aprendizado. Eles criam uma consciência dinâmica da natureza. A multitude de práticas forma um comportamento coerente com o mundo natural e dentro da sociedade, essas experiências de aprendizagem são profundas e complexas.

 

O método Sit Spot

A prática mais comum que desencadeia a conexão com a natureza está em desenvolver um forte relacionamento com um lugar selvagem. Retornar ao mesmo lugar no mundo natural pode criar um espírito amável e vínculo profundo com a natureza. Esta prática é conhecida como Sit Spot. Apenas por estar presente, o observador permite que as lições da natureza se infiltrem em seu ser. Com o tempo, as crianças são capazes de observar as mudanças no ambiente, coletar histórias e experimentar emoções diferentes com o mundo natural. Durante essa experiência, pode-se desenvolver uma forte relação pessoal com a natureza.

O Sit Spot é uma experiência de privacidade e intimidade com o mundo natural. Em casa ou nas salas de aula, devemos apoiá-los através de uma escuta atenta e sem julgamentos. Esta é uma parte essencial do Sit Spot, trazendo o mundo natural para nossas casas e vida pública. Testemunhados pelo coletivo, as crianças podem expressar suas histórias do mundo natural. Esta prática requer um círculo seguro para a conversa. Não pode ser espremido entre o lanche da manhã e a hora do almoço. Contar histórias é um ato de tecer a comunidade. As crianças podem experimentar as emoções de seus colegas e ter seus sentimentos reconhecidos. Através da narrativa, pode-se encontrar uma conexão interna e externa com a terra e o lugar.

Adaptação: Autossustentável

A conexão da natureza desenvolve um sentimento de pertença à Terra e à comunidade humana. As experiências podem variar amplamente em todos os países, mas todos podemos apoiar as crianças e capacitá-las para desenvolver o seu Self Ecológico e se tornarem pertencentes à Terra.

 

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *