ConsumoMeio AmbienteSemana Temática

O que você pode fazer para reduzir o consumo de plástico?

Você já parou para refletir na quantidade de plástico que você descarta todos os dias?

 

No nosso primeiro post da Semana Temática de Meio Ambiente relatamos todas as complicações que o plástico traz para nossas vidas e a enorme montanha de lixo que permanece em Aterros, Lixões, Córregos, Rios e Oceanos.

Os motivos para não usar (ou reduzir drasticamente o seu consumo) plástico descartável são muitos.

  • O plástico é proveniente do petróleo, recurso não renovável e que a extração demanda um grande impacto ambiental;
  • Apenas uma pequena percentagem de todo plástico produzido é reciclado, cerca de 9%;
  • Animais e aves marinhas ingerem pequenas partículas de plástico junto com quando se alimentam. Alguns engolem peças maiores, como tampas de garrafas, sacolinhas, frascos, cordas, pedaços de redes. Como o plástico não é digerido, os fragmentos se acumulam no estômago até não restar espaço para a comida. morrendo de inanição;
  • Quando o plástico entra em contato com substâncias quentes, como líquidos quentes, no caso do copo plástico, libera substâncias que são consideradas cancerígenas;
  • E ainda há o perigo dos microplásticos. Quando o homem se alimenta de peixes, está ingerindo também os microplásticos que se acumularam ao longo da cadeia. Já contamos aqui no blog o quão problemática é essa questão.

Sabemos o quão é difícil é diminuir o seu uso ou dizer não para algumas facilidades como as sacolas plásticas e um canudinho. Por isso, listamos algumas opções que podem auxiliar essa mudança de hábito no seu dia a dia.

ADOTE SEU COPO OU SUA CANECA

Imagem: Cidade Mais Humana

No Brasil, o consumo diário de copos plásticos é de cerca de 720 milhões de unidades. . Se empilhados, eles dão uma volta e meia na Terra. Esse número é realmente impressionante e, reflete o nosso padrão de consumo, desenfreado e, por vezes por pura comodidade.

Usando 3 copos plásticos por dia de trabalho, ao longo do ano você utilizará  em média (considerando feriados e finais de semana) 700 copos plásticos. Dá para reduzir esse consumo, não dá?

No texto anterior demos algumas opções para trocar o seu copo descartável por um reutilizável. Mas pode ser aquela sua caneca preferida, uma squeeze que está encostada no armário ou um copo qualquer, mas que possa sempre estar com você durante todo o dia.

É uma ideia simples mas que pode ter um grande impacto, dependendo de como é a sua rotina fora de casa.

DISPENSE O CANUDO

Imagem: Creative Commons

Conta aí, quantos canudos você já usou nessa semana?

Um canudo descartável que fica cerca de 10 minutos na sua mão, pode ficar até 100 anos para se decompor na natureza – isso se não for ingerido por algum animal. Sabia? Além disso, por serem distribuídos e descartados com facilidade, eles entopem bueiros e poluem a cidade.

Que tal começar agora mesmo a rejeitar os canudos descartáveis? Um utensílio que parece tão inofensivo, pode causar sérios danos à vida animal, aos oceanos e ao meio ambiente.

Mas e se você realmente precisar usar? Separamos algumas alternativas ao canudo descartável de plástico?

  • Canudo de Bambu;
  • Canudo de Metal;
  • Canudo de Vidro;
  • Canudo de Papel;
  • Canudos de Gelatina comestível (feito com açúcar, gelatina e amido de milho);

DIMINUA O CONSUMO DE GARRAFAS PLÁSTICAS

Imagem:

Estima-se que 1.000.000 de garrafas plásticas são vendidas por minuto no planeta, ou seja, 20 mil garrafas são compradas a cada segundo, sejam elas de refrigerante, suco ou água mineral.

No entanto, grande parte das garrafas de água são feitas de um certo tipo de plástico derivado do petróleo e chamado de politereftalato de etileno, conhecido também como PET.

De acordo com estudo publicado na revista National Geographic, o maior consumidor mundial de água engarrafada é os EUA, que produz sozinho cerca de 29 bilhões de garrafas de água por ano. Isso envolve aproximadamente 17 milhões de barris de petróleo na produção do PET.

Trata-se de uma quantidade considerável, ainda mais quando levamos em conta que estamos falando de um produto que, na prática, é descartável – muitas vezes o utilizamos somente uma vez. Claro que reciclar o material é essencial e faz a diferença, porém, é preciso lembrar também do investimento em energia e logística necessários para o processo de reciclagem. Mesmo assim, apenas uma parte do produto acaba sendo reprocessado. Uma grande parte deste material termina em depósitos de lixo e, infelizmente, em mares e rios.

São 5 grandes problemas causados pelo descarte incorreto de garrafas PET, que evidenciam a importância de diminuir o seu consumo e de reciclar esse material:

  • Redução da biodiversidade nos oceanos
  • Aumento da quantidade de lixo nos aterros
  • Aumento da poluição das ruas
  • Morte de aves e mamíferos marinhos
  • Aumento da quantidade de algas no oceano

DIGA NÃO ÀS SACOLAS PLÁSTICAS

Imagem: HigiPack

Apesar de práticas e seu multi-uso (servem até como sacos de lixo), elas têm lá os seus defeitos. Estima-se que 1,5 milhão de sacolas plásticas são distribuídas por hora no Brasil. Cada sacola plástica pode levar até 500 anos para se decompor. Agora faça as contas?

Mas existem outras opções no mercado para substituir as sacolas plásticas distribuídas gratuitamente nos supermercados? Claro que existe!

Sacolas oxibiodegradáveis

Não tão sustentáveis, pois são derivadas do petróleo. Porém, têm a vantagem de se degradarem mais rapidamente no solo do que as sacolinhas tradicionais (cerca de dezoito meses). Mas alguns especialistas alertam que o aditivo presente nessas sacolas apenas quebra as moléculas do material plástico em pedaços diminutos – o plástico permanece lá, mas num formato diferente. Olha aí os microplásticos novamente!  Além disso, esses pedaços pequenos são compostos por outras substâncias, como resíduos de tintas e pigmentos, que também poluem o meio ambiente.

Sacolas de plástico verde

Material produzido a partir da cana-de-açúcar, matéria-prima renovável.  Mas tem como desvantagem o fato de não ser biodegradável, ou seja, não se decompõe no meio ambiente sem prejudicá-lo.

Sacolas de bioplástico

Feitas de amido de milho, biodegradáveis e de baixo custo. O problema é que elas utilizam até 69% a mais de energia em sua produção do que a sacola plástica comum. Mas se a produção ocorrer com a utilização de energia renovável, ela pode ser considerada uma boa opção na substituição às sacolas plásticas convencionais;

Reciclado

Sacolas feitas a partir de material reciclado, que vão de material plástico até caixinhas de leite, são também uma ótima opção por reutilizarem materiais, apesar de não serem biodegradáveis. A vantagem é o fato de não serem descartáveis.

Sacos de papel

Essa alternativa já foi muito utilizada nos anos 50, antes mesmo da popularização das sacolas plásticas. Eles podem ser usados para carregar alimentos e compras pequenas. Além disso, comidas e recipientes pequenos também podem ser embrulhados. Porém, são bem mais frágeis e se decompõem com facilidade;

Ecobags

Confeccionadas de materiais recicláveis, as sacolas reutilizáveis são populares e já são vendidas em supermercados. Elas têm durabilidade estimada de cinco anos e podem ser lavadas.

Carrinhos de lona

Com uma estrutura resistente, eles são capazes de levar as compras com auxílio de rodinhas, o que facilita o transporte.

Sacos feitos de jornal

Essa é uma boa opção pra casa. A dobradura feita de jornal é capaz de formar um saquinho, que pode ser usado para guardar o lixo do banheiro. Quando estiver cheio, pode ser descartado em um saco de lixo reciclado; Temos aqui um passo a passo!

Caixas de papelão

Nesse caso, o consumidor pode levar a sua própria caixa ou conseguir a sua própria peça no supermercado. Algumas empresas estão em processo de desenvolvimento de caixas de papelão dobráveis, as quais podem ser levadas até mesmo no porta-malas do carro.

Sabemos o quanto é difícil dizer não àquele copo descartável ou aquela sacola de plástico para você usar no lixinho do seu banheiro. Mas, mudar os seus hábitos, pode ser uma maneira simples, mas eficaz de diminuir o consumo de plástico.

E você, o que faz para combater a poluição plástica nos oceanos? Deixe nos comentários!

 

 

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *