SaúdeUrbanidade

Doação de Sangue: Saiba como e quem pode doar

Doar sangue é um ato altruísta e de solidariedade. A doação é 100% voluntária e beneficia qualquer pessoa, independente de parentesco com o doador. É importante lembrar que o sangue é essencial para os atendimentos de urgência, realização de cirurgias de grande porte e tratamento de pessoas com doenças crônicas, como a Doença Falciforme e a Talassemia, além de doenças oncológicas variadas que, frequentemente, necessitam de transfusão.

No Brasil, cerca de 3,5 milhões de pessoas realizam transfusão de sangue e ao todo, existem no país 27 hemocentros coordenadores e 500 serviços de coleta. Entretanto, somente 1,8% da população brasileira entre 16 e 69 anos doam sangue. A ONU considera “ideal” uma taxa entre 3% a 5%. Para esse ideal ser alcançado, o Brasil precisa de 4,15 milhões de doadores de sangue nas redes privada e pública.

Procure o hemocentro mais próximo e seja um doador regular independentemente de quem estiver precisando. Uma só doação pode salvar até quatro vidas.

Onde doar:

Os doadores de sangue podem procurar os postos de coleta mais próximos, como os Hemocentros, o Hemointo e o Serviço de Hemoterapida do INCA. Para saber o posto de coleta mais próximo, acesse Hemocentros no Brasil.

Intervalo entre doações:

– Homens: de 2 em 2 meses, sendo, no máximo, 4 vezes ao ano

– Mulheres: 3 em 3 meses, sendo, no máximo, 3 doações anuais

Compatibilidade da doação:

Quantidade de sangue doado:

A quantidade de sangue retirada não afeta a sua saúde porque a recuperação é imediatamente após a doação. Em uma pessoa adulta tem em média cinco litros de sangue e em uma doação são coletados no máximo 450ml de sangue. É pouco para você e muito para quem precisa!

Critérios para doar:

  • Ter idade entre 16 e 69 anos, desde que a primeira doação tenha sido feita até 60 anos (menores de 18 anos devem possuir consentimento formal do responsável legal);
  • Pesar no mínimo 50 kg;
  • Estar alimentado. Evite alimentos gordurosos nas 3 horas que antecedem a doação. Caso seja após o almoço, aguardar 2 horas;
  • Ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas;
  • Apresentar documento de identificação com foto emitido por órgão oficial (Carteira de Identidade, Carteira Nacional de Habilitação, Carteira de Trabalho, Passaporte, Registro Nacional de Estrangeiro, Certificado de Reservista e Carteira Profissional emitida por classe);
Imagem: Walter Alves/Gazeta do Povo

Impedimentos temporários:

  • Gripe, resfriado e febre: aguardar 7 dias após o desaparecimento dos sintomas;
  • Período gestacional;
  • Período pós-gravidez: 90 dias para parto normal e 180 dias para cesariana;
  • Amamentação (até 12 meses após o parto);
  • Ingestão de bebida alcoólica nas 12 horas que antecedem a doação;
  • Tatuagem e/ou piercing nos últimos 6 meses (piercing em cavidade oral ou região genital impedem a doação);
  • Exames/procedimentos com utilização de endoscópio nos últimos 6 meses;
  • Extração dentária: aguardar 72 horas;
  • Apendicite, hérnia, amigdalectomia, varizes: aguardar 3 meses;
  • Colecistectomia, histerectomia, nefrectomia, redução de fraturas, politraumatismos sem sequelas graves, tireoidectomia, colectomia: esperar 6 meses;
  • Transfusão de sangue: aguardar 1 ano;
  • Vacinação: o tempo de impedimento varia de acordo com o tipo de vacina;
  • Ter estado exposto a situações de risco acrescido para doenças sexualmente transmissíveis (aguardar 12 meses após a exposição).

Critérios definitivos de impedimento:

  • Ter passado por um quadro de hepatite após os 11 anos de idade;
  • Evidência clínica ou laboratorial das seguintes doenças transmissíveis pelo sangue: Hepatites B e C, AIDS (vírus HIV), doenças associadas aos vírus HTLV I e II e Doença de Chagas;
  • Uso de drogas ilícitas injetáveis;
  • Malária.

O que acontece depois da doação?

O doador recebe um lanche, instruções referentes ao seu bem-estar e poderá posteriormente conhecer os resultados dos exames que serão feitos em seu sangue. Estes testes detectarão doenças como AIDS, Sífilis, Doença de Chagas, HTLV I/II, Hepatites B e C, além de outro exame para saber o tipo sanguíneo. Se for necessário confirmar algum destes testes, o doador será convocado para coletar uma nova amostra e se necessário, encaminhado a um serviço de saúde.

O que acontece com o sangue doado?

Todo sangue doado é separado em diferentes componentes (como hemácias, plaquetas e plasma) e assim poderá beneficiar mais de um paciente com apenas uma unidade coletada. Os componentes são distribuídos para os hospitais da cidade para atender aos casos de emergência e aos pacientes internados.

Cuidados pós-doação de sangue

  • Evite esforços físicos exagerados por pelo menos 12 horas;
  • Aumente a ingestão de líquidos
  • Não fume por cerca de 2 horas;
  • Evite bebidas alcóolicas por 12 horas;
  • Mantenha o curativo no local da punção por, pelo menos, quatro horas;
  • Não dirija veículos de grande porte, não trabalhe em andaimes e não pratique paraquedismo ou mergulho;
  • Faça um pequeno lanche e hidrate-se. É importante que o doador continue se sentindo bem durante o dia em que efetuou a doação.

#VemDoar e faça a sua parte! Seja solidário!

 

Com informações: Hemorio, Ministério da Saúde, Ministério da Saúde

 

 

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *