ConsumoSemana TemáticaTecnologia

Gravity light: Uma Luz que Funciona por Gravidade

GravityLight

A lâmpada de LED fica acesa por 30 minutos a cada ciclo

Você tem acesso a eletricidade confiável em casa a um preço acessível? Saiba que para 1 bilhão de pessoas (cerca de 13% da população mundial) isto ainda é apenas um sonho. Sim! Esse é o número de pessoas que ainda não tem acesso à eletricidade no mundo.

Muitos recorrem aos obsoletos lampiões de querosene para iluminar seus lares, mas são um grande risco para quem usa e para o meio ambiente. Na queima, os lampiões liberam no ar gases potencialmente cancerígenos e poluentes e também é uma fonte não muito segura por conta do perigo de incêndio.

Lampião de querosene. Imagem: The GravityLight Foundation

Por essa razão, a dupla de designers, Martin Riddiford e Jim Reeves, desenvolveram uma lâmpada que precisa, apenas, da força da gravidade para ser acesa. Foram quatro anos de pesquisas e muito trabalho para que o projeto ficasse pronto.

Imagem: The GravityLight Foundation

O projeto, batizado de Gravity Light, usa a gravidade para fornecer luz para as populações ainda excluídas do mapa quando o assunto é eletricidade. O Gravity Light é uma solução paliativa, mas bastante útil e eficaz.

Imagem: The GravityLight Foundation

Mas como ele funciona? É um pequeno gerador que acende um LED de alta potência. A energia gerada vem do peso de um saco cheio de areia ou de pedras, por exemplo, que desce lentamente. As engrenagens do interior do aparelho fazem todo o trabalho, convertendo a energia cinética em eletricidade.

Imagem: The GravityLight Foundation

O ciclo dura de 20 a 30 minutos. Para continuar a ter luz, basta puxar a corda, reposicionando novamente o saco na posição mais elevada, conforme a imagem a cima. Uma ideia simples, seguro e que pode iluminar bem um ambiente.

Imagem: The GravityLight Foundation

Além do preço ser bastante acessível, a tecnologia dispensa o uso de baterias (utilizadas em placas solares, por exemplo).

Para mais informações, acesse: https://gravitylight.org/

Com informações: Portal EnergiaSuper Interessante e The GravityLight Foundation

 

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *