Semana TemáticaTurismo

Vai viajar de carro com o pet? Veja 5 cuidados no transporte

Férias chegando, você já arrumando as malas e se preparando para aquela viagem de descanso. Mas e o seu cachorro ou gato? Deixar sozinho é que não pode. Às vezes é complicado arrumar alguém para cuidar aos 45 do segundo tempo. Então o jeito mesmo é levar o pet junto com você!

Mas quais são os cuidados necessários para transportar com segurança o pet em uma viagem? Nós vamos te ajudar, vem com a gente!

1 – Caixa de transporte

Levar um bicho de estimação solto no veículo pode causar acidentes e colocar em risco não só a vida do animal, mas também do condutor, passageiros e dos outros motoristas ao redor. Em uma colisão a 60 km/h, o peso é multiplicado por 50, ou seja, um cachorro de 10kg atinge um impacto equivalente a 500kg. Além disso, pode resultar em multa e até acarretar em apreensão do veículo.

Para isso, é altamente recomendado que os pets sejam acomodados em caixas de transporte. Elas são fáceis de serem encontradas, bem seguras e deixam o pet protegido no caso de uma colisão.

O tamanho ideal da caixa de transporte é o suficiente para o conforto para o seu gato ou cachorro. Se a caixa for muito grande, perde-se a função de segurança já que há muito espaço sobrando e o pet pode se ferir ao bater nas laterais. E não esqueça, procure sempre caixa com aberturas e bem ventiladas para dar conforto ao animal.

Um lembrete! Por mais segura que a caixa pareça, não é o suficiente. É necessário mantê-la fixa ao assento do carro, para que o pet seja transportado com segurança.

2- Bolsas e cadeirinhas

Esse método é adequado para animais de pequeno porte, que não pesam mais do que 10 quilos.

As bolsas e cadeirinhas para transporte no carro são, em geral, feitas de lona com outros tecidos e, por essa razão, são mega confortáveis e também apresentam segurança. Elas possuem cintos internos e devem ser anexados ao banco.

3- Cintos de segurança

Para cães, o mais indicado são os cintos de segurança. Nele, o cão fica sentado no banco traseiro bem como qualquer outro passageiro humano. É bem fácil de usar, versátil e atende a todos os portes de animais, sendo a preferida para os pets maiores.

Ergonômico e adaptável aos diferentes tipos de veículos, o cinto funciona como um peitoral que é conectado ao local do cinto de segurança.

4- Paradas programadas

Procure fazer paradas a cada duas de viagem. Durante esses descansos, encontre um local adequado para que seu pet faça as necessidades e beber um pouco de água.

Importante! Saia sempre com jornais para recolher as fezes do seu pet durante os passeios.

5- Alimentação

 Nas 3 (três) horas anteriores à viagem, não alimente o seu cão. Para água a regra deve ser uma hora antes. Em caso de felino, o jejum é de duas horas antes do percurso. Assim evita-se que o animal fique enjoado e com náuseas durante o percurso. Também reduza a quantidade de comida para evitar um aumento da defecação. Mas, lembre-se, ao chegar ao seu destino, que o seu pet precisa se alimentar mais devido à restrição.

Se o pet for muito agitado e mesmo com todos os cuidados acima, passar mal durante passeios, consulte um veterinário para prescrever algum medicamento para que o trajeto seja feito de maneira mais tranquila.

Outros detalhes

  • Verifique com antecedência se o local onde irá se hospedar aceita animais de estimação;
  • Coloque identificação na coleira do seu bichinho, com nome e telefone, para caso ele se perca;
  • Consulte o veterinário antes da viagem e peça para que ele indique remédios básicos para caso de emergência;
  • Leve os documentos do pet, como cartão de vacina, por exemplo;
  • Não esqueça de preparar uma bagagem com a quantidade necessária de ração, potes para água e comida, além de outros utensílios como toalhas e cama/ colchão.

 

Com informações: DETRAN-PR, DETRAN-PR, Granvita Pet e Meu Porto Seguro

 

 

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *