Consumo

Administrar bem as finanças também é ser sustentável

O conceito de sustentabilidade, tão batido por autores e pensadores, permeia o tripé social, ambiental e econômico. Engana-se quem pensa que o terceiro – o econômico, é apenas consequência da execução dos outros dois. Muito mais do que gerar economia com ações sustentáveis no meio ambiente e na sociedade, tomar boas decisões e usar o recurso financeiro de forma adequada é também uma forma de viver de maneira sustentável. O que inclui consumir da melhor forma, mas também investir adequadamente. É um ciclo natural: quanto menos você consome ou quanto mais eficiente é o seu consumo, mais economia financeira você gera, o que lhe permite poder investir melhor.

Para isso, o planejamento e disciplina são fundamentais tanto para pessoa física quanto para pessoa jurídica. Organizar visualmente suas receitas e despesas, previsão de gastos, retorno financeiro de cada investimento e definir metas são alguns dos passos básicos. Além disso, gerar indicadores é importante para que você entenda onde está, para onde está indo e aonde quer chegar. Há hoje, diversos aplicativos gratuitos disponíveis para download que facilitam muito neste sentido, gerando total transparência dos seus gastos e investimentos, ajudando em tempo real na tomada de decisão. Caso você ainda não conheça nenhum, clique aqui e saiba mais.

Imagem: Creative Commons

Além disso, há diversos influenciadores digitais que têm um vasto material à disposição na internet com dicas financeiras que vão te ajudar. Um exemplo é a jornalista Nathalia Arcuri, do canal Me Poupe, que aborda a educação financeira em seus canais digitais (Youtube, Instagram, Site) de forma simples e divertida.

O Centro Sebrae de Sustentabilidade lançou uma cartilha sobre Sustentabilidade Econômica – Como sua empresa pode ser mais lucrativa e, lá, o conceito de sustentabilidade econômica pressupõe o objetivo de manter o crescimento econômico sem destruir ou prejudicar o meio (ambiental e social) em que esse crescimento econômico se dá. Significa operar o negócio de maneira a obter a rentabilidade esperada ao mesmo tempo em que reconhece a importância de questões sociais e ambientais. Isso serve não só para empresas, mas para pessoas também.

Imagem: Creative Commons

Muitas companhias sinalizavam que ser sustentável encarecia o produto e deixava de ser atrativo financeiramente, o que não era o intuito. Ao longo do tempo isso está caindo por terra devido às novas tecnologias e iniciativas. Além disso, uma pesquisa do Green Brands Global Survey realizada em 2009 e abordada na cartilha do Sebrae mostrou que 73% dos brasileiros planejavam aumentar seus gastos com produtos e serviços sustentáveis, sendo que 28% deles estão dispostos a pagar até 30% mais por eles. Ou seja, ainda que o produto não fosse tão competitivo financeiramente, uma importante parcela da população já estava disposta a pagar o preço há 10 anos atrás. De lá para cá esse entendimento tem melhorado ainda mais.

É importante entender que a sustentabilidade financeira possibilita não apenas a manutenção de uma empresa e toda a cadeia produtiva em que está envolvida, mas também gera maior qualidade de vida e segurança para as pessoas.

Tem dicas de como podemos ser sustentáveis financeiramente? Então compartilha com a gente!

 

 

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *