EcodesignSemana TemáticaUrbanidade

Projeto usa bicicletas de bambu para mudar a realidade de moradores da Baixada Fluminense

Uma forma encontrada para incentivar ainda mais o uso das bicicletas nas principais cidades brasileiras é o compartilhamento de bicicletas (bike sharing). No Rio de Janeiro, as famosas “laranjinhas” fazem parte do sistema de bicicletas que hoje conta com mais de 2.600 bicicletas espalhadas em 260 estações do município.

Porém, as facilidades do compartilhamento de bicicletas dificilmente são encontradas fora das capitais. No município de Queimados, na Baixada Fluminense, um projeto proposto pelo coletivo Pedala Queimados vem mudando o cotidiano dos moradores que vivem, principalmente, na periferia.

Enquanto o município foi considerado o mais violento do país em 2016 pelo Atlas Violência 2018 – produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o projeto cria novas oportunidades a jovens em situação de vulnerabilidade, estimula a mobilidade ativa na Baixada Fluminense, além de trazer equidade social ao local. Tudo isso, utilizando uma matéria prima de fácil acesso: o bambu.

Imagem: Fundo Socioambiental CASA

A missão do Pedala Queimados é a de transformar a realidade social do município, pelo uso da bicicleta, em um lugar mais humano, democrático e sustentável. Rodas de conversa em escolas públicas, passeios ciclísticos e oficinas de capacitação de reparos de bikes e de educação no trânsito.

A ideia inicial do Coletivo Pedala Queimados era a criação de um sistema de bicicletas compartilhadas para a população do Conjunto Habitacional Valdariosa, do programa Minha Casa Minha Vida, utilizando bicicletas doadas.

Mas o projeto fez muito sucesso antes mesmo de se iniciar. Em 2018, venceu um prêmio durante o evento Velo-City 2018, no Rio de Janeiro, um dos maiores eventos de mobilidade urbana e ciclismo do mundo. A ideia chamou a atenção da Embaixada da Bicicleta da Holanda que destinou uma verba de apoio ao projeto

A chegada de um novo apoiador possibilitou que o projeto fosse ampliado. A instituição passou a realizar cursos de produção de bicicleta de bambu, passeios ciclísticos e oficinas de formação, com o intuito de atingir o objetivo de ser referência técnica e política na luta pela mobilidade urbana sustentável.

Imagem: Fundo Socioambiental CASA

Atualmente, o Pedala Queimados, agora formalmente registrado como Associação dos Usuários de Meios de Transporte Terrestre à Propulsão Humana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro, ganhou projeção internacional. Seus cicloativistas participam ativamente de fóruns e conferências mundo a fora.

Para mais informações: https://www.facebook.com/pedalaqueimados/

Bons ventos a este projeto sensacional!

 

 

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *