ConsumoEducaçãoSaúde

Redes Sociais: estamos consumindo informação ou desinformação?

Imagem: Rawpixel

Nunca tivemos tanto acesso e tanta informação disponível. Basta ter uma conta em uma rede social que você pode ficar informado sobre milhares de pessoas e assuntos. Também pode assistir uma infinidade de vídeos divertidos e lives sobre qualquer assunto que você imaginar. O resultado é que estamos afogados em meio a tanta informação, acabamos desinformados.

Vocês têm essa sensação de que nunca estamos suficientemente informados, mesmo estando neste mar infinito de informações? Tenho pensado bastante a respeito disso e existem dois pontos que precisamos ter em mente: conhecimento e curadoria.

Conhecimento é diferente de informação. Conhecimento é justamente o que nos possibilita entender o contexto, as repercussões e as consequências. Informação é, por exemplo, você ter direito a pleitear determinada coisa na justiça. Conhecimento é, por exemplo, com base na lei ou no contrato, você ter direito a pleitear tal coisa na justiça. Podemos entender a diferença entre informação e conhecimento, realizando um paralelo com matérias jornalísticas, é como se a informação fosse a chamada (o título) da matéria, enquanto o conhecimento estaria relacionado ao conteúdo da matéria. A informação atrai a atenção, mas não diz tudo o que você precisa saber. E o que mais temos hoje são pessoas compartilhando informações e opiniões, na maioria das vezes, sem conhecimento de causa. E essa é a razão desse excesso ao qual chegamos.

Fonte: Reddit

Qual é a capacidade de processamento do nosso cérebro? Que efeitos isso gera na nossa saúde mental? É sustentável tudo isso? Penso que não.

Existem conselhos, inclusive com a finalidade de melhorar nosso posicionamento nas redes sociais, para que deixemos de seguir tantas pessoas. Para que façamos uma curadoria do que estamos realmente interessados em ver, ouvir e consumir. Essa também é uma forma de melhorar sua gestão de tempo e produtividade.

Outra proposta é desativar todas as notificações de aplicativos. Já que essa é uma forma de chamar nossa atenção para que voltemos nossa atenção novamente ao celular. E, sinceramente, eu não sinto que tenhamos muito claro o limite entre o aceitável e o excesso nessa questão também.

No último ano houve um movimento que buscava uma espécie de detox digital. E o objetivo era justamente a manutenção da saúde mental, principalmente em jovens. Utilizava-se como palavra de ordem: reconecte-se. Mas a ideia seria reconectar com as pessoas, com a sua vida.

Imagem: Creative Commons.

Se formos refletir e ser coerentes, todos nós que estamos buscando uma vida mais sustentável, mais harmônica, estamos em busca desta reconexão com a vida e o ritmo natural das coisas. E tudo que gera um desequilíbrio parecer estar fora desta prioridade.

Trabalho com previdência social e nesta quarentena pude observar a quantidade de problemas psicológicos aumentar exponencialmente. Pessoas que tinham ansiedade passaram a ter pânico. Pessoas que estavam sob pressão, mas segurando as pontas, acabaram apresentando quadros de depressão. As notícias não abordam muito a questão, mas, muitos idosos têm cometido suicídio. Claro que o fato de estarmos isolados e consumindo informações como nunca não é o único motivo disso tudo, mas, certamente, que tem influência e precisa ser repensado.

Afinal, o que você acha que acontecerá depois de um dia sem a avalanche de notícias? Você terá realmente perdido algo importante? Que tipo de informações a sua profissão exige que você busque?

Imagem: Creative Commons.

Como forma de desconectar, temos utilizado o tempo livre (em casa) para conviver. Descobrimos que após o almoço é uma delícia ficar com os gatos no tapete da sala tomando banho de sol. Também estamos montando quebra-cabeça. Já lemos muito (conhecimento). Estamos cozinhando juntos. Literalmente reconectando, pois nesse período eu re-conheci (conheci novamente) o meu marido.

Quer pensar mais sobre o assunto?

Ted Talks: As Redes Sociais e A Saúde Mental com Flavio Milman Shansis (Mestre em Bioquímica e Doutor em Ciências Médicas). Link: https://www.youtube.com/watch?v=FId-rZHdP7s&feature=youtu.be

Imagem: Creative Commons.

Netflix: O dilema das Redes (The Social Dilemma), A Rede Social (The Social Network) e a série Black Mirror (episódio “Smithereens”).

 

 

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *