Cidades SustentáveisMeio AmbienteTecnologia

Energia Eólica e os “Bons Ventos” no Mundo Pós-Pandemia

A retomada da economia no ambiente pós pandemia deve ser sustentável e, nessa medida, a transição para uma economia de baixo carbono e o incentivo do uso de energias renováveis são elementares nesse processo.

A Energia Eólica desponta como importante para o sistema elétrico brasileiro. Trata-se de uma fonte de energia limpa, renovável e cada vez mais tem adquirido preço competitivo no mercado.

No Brasil, a energia gerada pelos ventos ultrapassou a expressiva marca de 15 GW de capacidade instalada para produção nacional, em maio de 2019, sendo a maior parte desse total na região Nordeste [1].

Mesmo no cenário da pandemia, a presidente da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica), Elbia Gannoum, aponta que “vamos ter um forte papel, da fonte eólica, no segundo semestre, que é o período que a eólica gera mais e atingimos os chamados recordes de geração”[2].

Ora, a saída deve ser verde, sustentável e através de fontes energias renováveis. Nesse sentido, Elbia Gannoum complementa que “a retomada econômica, pós pandemia, será de forma sustentável com especial relevância das fontes de energia eólica.

Tais características são importantes para que o Brasil e seus representantes tenham-nas como norte em eventuais propostas de modernização do setor elétrico brasileiro.

Isso porque tramita no Congresso Nacional o Projeto de Lei do Senado nº. 232/2016, que visa modernizar o setor elétrico do Brasil, mas ainda precisa de ajustes para valorizar de forma significativa as fontes de energias renováveis como a energia eólica.

É, portanto, necessário que todos nós, cidadãos, estejamos atentos para que o governo brasileiro valorize essas fontes de energias renováveis como a eólica e, assim, favoreçam que os “bons ventos” continuem soprando no mundo pós pandemia.

Imagem: Creative Commons.

 

Sugestão de Leitura:

Novo marco regulatório do setor elétrico é aprovado na Comissão de Infraestrutura. Clique aqui para acessar.

Referências:

 

 

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *