Cidades SustentáveisTecnologia

São Paulo ganha mural artístico com tinta que purifica o ar – Conheça a City Forests

A poluição do ar é uma questão crítica tanto para o meio ambiente quanto para a saúde humana e grandes cidades, com adensamento populacional e grande circulação de veículos, são espaços tendem a possuir a qualidade do ar comprometida pela alta emissão de gases poluentes.

Pensando nisso, a City Forests, iniciativa elaborada pela empresa Converse criadora do icônico All Star, resolveu transformar o problema da poluição do ar em uma oportunidade de unir arte, cultura e tecnologia com meio ambiente para gerar melhoria da qualidade do ar em grandes cidades mundo afora. E tudo isso através da criação de murais com tinta especial elaborados por artistas locais. No Brasil, foi a cidade de São Paulo que ganhou um mural que purifica o ar.

Sim! Isso mesmo que você leu. Um mural que ajuda a purificar o ar!

Imagem: Divulgação Converse Brasil.

E como isso é feito? Como funciona esse processo?

Os murais são criados com uma tinta fotocatalítica que contém pigmentos especiais – dióxido de titânio.  Ela atrai poluentes atmosféricos nocivos e os converte em nitratos inofensivos por meio de um processo químico ativado pela luz solar. Assim, qualquer superfície revestida com esta tinta torna-se uma superfície purificadora de ar ativa.

Imagem: Divulgação Converse Brasil.

Por que a cidade de São Paulo?

São Paulo é atualmente a maior cidade da América Latina em termos populacionais, o que significa que todos os dias circulam pela cidade um grande número de pessoas, gerando, consequentemente, trânsito devido à grande frota de veículos. Esse fato aliado a pouca presença de vegetação na região fez com que São Paulo fosse a cidade escolhida pela iniciativa City Forests.

O local selecionado para receber o mural que ajuda a purificar o ar foi a fachada de um prédio próximo ao Minhocão, na região central da cidade, devido justamente ao grande fluxo de pessoas e veículos e também a pouca presença de verde na área. O processo de criação do mural levou 11 dias e agora a região possui uma grande obra de arte que celebra a cultura nacional, destaca a importância da preservação ambiental e purifica o ar circundante, já que, o mural equivale a 750 árvores, ou mais de 15 campos de futebol.

Sobre o mural e a conscientização socioambiental

O mural foi assinado por Rimon Guimarães, artista autodidata e multidisciplinar de Curitiba, que já criou murais em 27 países e atualmente está envolvido em vários projetos sociais que buscam integrar à sociedade grupos marginalizados através da arte. Inspirado pelos povos indígenas originários, o mural foi pensado para celebrar e destacar a importância das raízes culturais, e teve a colaboração de Nazura, artista multidisciplinar da zona leste de São Paulo formada em artes visuais e pesquisadora do afrofuturismo.

Imagem: Divulgação Converse Brasil.

Intitulado de “Pindorama”, que era como os nossos povos originários chamavam a terra antes da chegada dos europeus, o mural faz referência aos quatro elementos reverenciados pelos índios: terra, vento, água e fogo, além do pássaro, onça pintada e a cobra, considerados animais de poder. Já a figura feminina indígena teve seu traje inspirado na tribo Jurupixuna, que viveu na região amazônica até o século XVIII e, sua máscara é inspirada em pinturas faciais de tribos como Kayapó e Xikrin.

“Este mural celebra a diversidade das tribos indígenas brasileiras originais e nossa flora e fauna distintas. Podemos aprender muito com essas pessoas sobre como nos conectar e viver em harmonia com a natureza”. Rimon Guimarães.

Imagem: Divulgação Converse Brasil.

E tudo isso pode ser visto e admirado a partir de um viaduto que se transformou em uma galeria de arte a céu aberto, bem no centro de São Paulo. Esse envolvimento e possibilidade de unir grandes questões na criação desse mural são também expressados por Nazura: “Trabalhar com essa tinta foi incrível porque funciona como qualquer outra tinta, mas o mais importante, o fato de o mural dialogar com o aspecto ambiental, favorece o desenvolvimento de mais materiais assim. Eu nunca tinha trabalhado em um mural desta altura e adorei, especialmente porque havia muito sentimento envolvido e fazia muito tempo que não sentia essa luz e viva, com pessoas se reunindo para criar incríveis trabalhos.”

Imagem: Divulgação Converse Brasil.

City Forests  

O trabalho faz parte da iniciativa City Forests (Cidade-Florestas, em tradução livre) elaborada pela Converse, criadora do icônico All Star, com o propósito de unir arte, cultura e meio ambiente. As instalações transformam fachadas em galerias de arte, dando vida nova aos espaços urbanos e trazendo a sustentabilidade para o nosso cotidiano, ao devolver ar puro para as cidades.

O objetivo da iniciativa Converse City Forests é, até o final deste ano, instalar murais em 13 áreas urbanas ao redor do mundo, pintando mais de 14.000 m2, que juntos equivalem ao plantio de aproximadamente 40.000 árvores, purificando o ar das emissões poluentes produzidas pelos veículos automotores.

Imagem: Divulgação Converse Brasil.

A Converse acredita que manifestações artísticas podem proporcionar muitas reflexões sobre como transformar o ambiente ao redor, seja visual ou ecologicamente. Antes de São Paulo, cidades como Bangkok na Tailândia, Varsóvia na Polônia, Belgrado na Sérvia, Santiago no Chile, e Sydney na Austrália, também já receberam instalações semelhantes.

Para saber mais sobre a iniciativa, acesse: https://conversecityforests.com/

 

 

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *