AlimentaçãoConsumoSaúde

Dicas para uma cozinha amplamente saudável e sustentável

cozinha sustentável

Ainda acreditamos que a rotina de nossas casas gera poucos impactos no meio ambiente. Estamos acostumados a ter uma visão mais focada no apontamento do externo para busca de soluções, do que na reformulação de nosso modo particular de viver e interagir no mundo, com o meio.

Uma boa proposta de revisão, aprofundamento e mudança pode começar, por exemplo, na cozinha de casa. Que tal aderir a ideia de uma cozinha sustentável e saborear uma existência mais orgânica e extensivamente saudável?

Uma imersão na ideia de cozinha sustentável

O espaço cozinha é um espaço destinado a continuidade da produção, consumo e descarte. Movendo essa engrenagem, existe uma palavra chave: consciência. Podemos melhorar processos de maneira consciente e mais responsável ou simplesmente seguir a dinâmica do que é comum e até destrutivo. No estado consciente e responsável, a cozinha funciona com a energia do cuidado e garante menos impacto ambiental. Alguns pontos:

Cozinha
Imagem: Harumi Bem Estar

1. O primeiro ponto é se auto resgatar
Quem é aquele que compra, cozinha e consome todos os dias? É um ser consciente que reconhece seu papel de importância para o estabelecimento de um planeta sustentável e aceita essa responsabilidade com alegria e não como algo trabalhoso ou é aquele ser que não concentrou atenção a isso, deixando que a rotina decida? Essa reflexão abre espaço para que haja aprofundamento e mais discernimento nas escolhas.

2. Reconhecimento dos elementos positivos na rotina na cozinha
Como por exemplo: uso integral dos alimentos, separação de embalagens, etc. Sugestão: como ampliar esses elementos positivos? Como ir além? Aqui, começa o mapeamento, as listas, a semente da intenção é plantada. Começa o planejamento.

Preparo
Imagem: Creative Commons

3. Criando um espaço de sustentabilidade criativo
Ação se faz presente e ainda que no primeiro momento cause “mais trabalho” começa uma experiência de novidade, novas formas de fazer. Os bons hábitos se instalam. Eis a prática.

Os elementos da cozinha sustentável

  • Alimentos frescos e de regiões mais próximas, evitam que muito combustível seja utilizado no transporte. Além disso, favorecer a economia local, gera uma relação de cooperação. Daí nasce o fortalecimento do consumo de orgânicos, de alimentos que não tem ciclos de vida alterados e se mantém o respeito a sazonalidade.
Feira
Imagem: Creative Commons
  • Alimentos usados integralmente também compõem uma boa cozinha sustentável. Talos, cascas, folhas, sementes e mesmo o que ficou de uma preparação do dia anterior pode ser bem usado. Aquele pouquinho de feijão que sobrou? Vira um bom hambúrguer vegetal. Talos? Vão para a sopa junto com as cascas. As sementes? Muitas podem ser torradas e consumidas como petisco. Vale lembrar que o senso de medida é importante. Cozinhar o necessário, favorece.
  • Ingredientes de origem não violenta colocam a cozinha além da sustentabilidade ambiental, criam uma relação de respeito com outros seres sencientes. Sabemos que a criação de animais para abate desmata área imensas e também desperdiça muita água.
  • Controle de datas de vencimento é imprescindível. Faça listas e coloque na prateleira da frente de sua despensa, o que precisa ser consumido primeiro. Sabe que não vai dar conta? Crie uma receita e compartilhe um bolo no escritório, dê o item para alguém, mas não deixe estragar! Compartilhar é sustentável.
Receita
Imagem: Creative Commons
  • Vai descongelar preparações? Esqueça a ideia de deixar sob a torneira aberta ou de ligar toda hora seu micro-ondas. Já pensou em retirar horas antes e deixar dentro da geladeira mesmo?
  • Opte por empresas idôneas em seus processos industriais. Não financiar empresas com histórico de práticas poluentes, de trabalho escravo e maus tratos a animais, fortalece a prática do consumo consciente e mostra a empresas que elas precisam mudar.
  • Evite embalagens. Comprar a granel é uma boa pedida. Já existem locais em que você leva seus potinhos e mantém a organização já no momento da compra. Caso não seja possível, use as embalagens e saquinhos para outros fins. Se for descarta-las faça de acordo com as orientações da coleta seletiva.
Granel
Imagem: Creative Commons
  • Ao cozinhar tampe bem as panelas e garanta que elas estão bem conservadas para que não haja perda de calor. Economia de gás e alimentos mais bem preparados.
  • Não descarte óleo de cozinha no ralo. Essa atitude evita a poluição das águas e também do solo. Procure ONG´s que façam o reaproveitamento desse resíduo. Evite detergentes e produtos químicos e nocivos. Opte por marcas biodegradáveis.
  • Evite manter geladeiras e refrigeradores perto de fogão. O aquecimento faz com que se puxe ainda mais energia para manter a temperatura fria. Deixar a geladeira criar gelo também reduz a circulação do ar frio. Busque ainda, eletrodomésticos de baixo consumo. Tire equipamentos da tomada.
Torneira
Imagem: Creative Commons
  • Ao lavar a louça, não mantenha a torneira aberta e a água correndo. Nem lave suas verduras assim. A louça, você pode deixar um pouco de molho em alguma bacia, até que solte o mais grosso, depois a sujeira sairá com facilidade e com pouco uso de água.
Relação
Imagem: Creative Commons

Temos o mapa, temos as dicas, temos a intenção, temos um propósito, temos a energia necessária e somos cooperativos o suficiente, bem como responsáveis, se assim quisermos, para a realização de um mundo sustentável, mais verde e até mais saboroso!

 

 

 

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *