Alimentação

Criatividade e consumo consciente: Usando os alimentos em toda sua potencialidade

Sou uma praticante da criatividade culinária. Para mim, o desafio é o tempero. Então, cada vez que olho para alguma fruta, verdura ou legume, busco pensar na palavra: possibilidade!

Gosto de refletir sobre quantas preparações aquele item pode gerar. Crio uma espécie de análise combinatória comestível, colorida, sustentável e mesmo divertida.

Um item que gosto muito de trabalhar é com as sementes dos alimentos. Faço de leite vegetal até farinha para compor alguma receita de pão. Fora os petiscos salgadinhos para degustar numa tarde qualquer.

As cascas que devem ser bem higienizadas, também apresentam uma variedade no uso. De hambúrguer a complemento na sopa, elas não vão para o lixo. Se por ventura não vou consumi-las, seja pela falta de tempo ou por já ter uma preparação na espera, certamente que alimentam minha mini cantoneira horta de apartamento!

Imagem: Creative Commons

Os talos são maravilhosos! Até patê com talo de couve já compôs a minha mesa natalina e olha, ninguém percebeu que era talo de couve com tofu bem temperado.

Aquele miolo de abobrinha e de outros alimentos, que muita gente descarta, vira até queijo vegano por aqui.

Busco produzir o mínimo de lixo possível, principalmente diante do cenário atual que temos de excessos e buscas de soluções para tais excessos e resíduos. Quase ninguém percebe, mas, essa ação de redução começa no modo de pensar e atuar na cozinha de casa.

Criatividade gera cuidado ambiental e menos consumo

Criar a partir daquilo que temos, usando nossos recursos internos que envolvem potenciais, qualidades, talentos, sensibilidade e percepção, garante uma nova postura diante das prateleiras. Se você sabe que dá para fazer, por exemplo, até 06 preparações de uma simples banana, você consome menos e certamente cria um impacto positivo no meio ambiente.

Cozinhar com uma mente mais aberta que foge ao culturalmente aceito e supostamente normal, nos permite ter não apenas mais saúde, mas também exercitar a criatividade e cuidar do planeta que habitamos.

É a criatividade a semente do ajuste, da adaptação, da mudança e da criação de hábitos melhores.

Falando de análise combinatória e culinária, deixo hoje, para vocês, o estudo sobre um único alimento e suas formas variadas de uso.

Vamos falar de abobrinha italiana, então?

Com uma abobrinha se pode fazer:

  1. Usando o miolo, queijo.
  2. Usando casca bem higienizada e em corte fino, carpaccio vegano.
  3. Ela com casca e tudo batida, muffin doce, inclusive!
  4. Lasanha vegana com fatias bem finas
  5. Hambúrguer vegano com a casca misturada e batida com algum grão
  6. Macarrão – Sim! A própria abobrinha em tiras finas ou espiraladas, vira uma macarronada e tanto.
  7. Sopa ou creme
  8. Cobertura de pizza com ela inteira sem tirar a casca
  9. Picadinha, vira até recheio de pastel
  10. Um falso canelone com fatias finíssimas ou com a casca bem enroladinha
Torta tipo pizza, de abobrinha e tomate. Imagem: Veganices da Val
Pão de abobrinha com hambúrguer de abobrinha. Imagem: Veganices da Val

Bem, enumerei 10 usos, mas existem mais! Agora fica o exercício de pensar na berinjela, na batata doce, no talo e folhas de couve, nas sementes de abóbora, na casca e no que mais vocês quiserem!

Para vocês testarem deixo a receita de queijo de abobrinha:

  • Retire o miolo da abobrinha italiana (use as outras partes hein?) com uma colher.
  • Essa parte tem sementinhas quase transparentes.
  • Bata esse miolo com um pouquinho de água e uma colher de sopa cheia de polvilho azedo.
  • Se tenho umas 02 a 03 colheres de miolo, coloco água apenas para dar certa liquidez – Quando acrescento o polvilho, bato mais. Verifique se quer mais liquidez e coloque mais água. Quando assa, ele endurece e faz casquinha!
  • Junte ainda: cúrcuma para dar um tom mais amarelado, sal e temperos de sua preferência.
  • Cai muito bem nas pizzas!
Queijo de abobrinha na pizza vegana. Imagem: Veganices da Val

 

 

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *