Cidades SustentáveisMeio AmbienteSemana Temática

Como o esgoto é tratado? Saiba como funciona uma ETE – Estação de Tratamento de Esgoto

O esgotamento sanitário envolve tanto as estruturas quanto os serviços necessários para coletar, transportar (até uma ETE – Estação de Tratamento de Esgoto), tratar e devolver de forma adequada o esgoto ao meio ambiente. Assim, o esgotamento sanitário se subdivide em dois serviços: a coleta e o tratamento de esgoto. O que significa dizer que nem todo esgoto que é coletado recebe tratamento antes de ser lançado em corpos hídricos.

Por essa razão essa componente do saneamento básico é um tema de grande preocupação no país, já que mais da metade da população não possui acesso aos serviços de coleta de esgoto, segundo dados do Instituto Trata Brasil essa parcela equivale 53%. E quando consideramos os serviços de tratamento de esgoto, a situação se complica ainda mais, pois dos 53% da população que tem o esgoto coletado, apenas 54% tem o esgoto tratado.

Esgoto a céu aberto em ruas e canais no bairro da Terra Firme, periferia de Belém, no Pará. / Imagem: Antonio Cicero/Photo Press/Folhapress. /Reprodução: UOL.

Essa insuficiência de atendimento gera impactos perniciosos para a saúde humana e para o meio ambiente. A saúde humana é ameaçada por doenças causadas pela exposição ao esgoto a céu aberto, fossas rudimentares e também pelo consumo de água não tratada. O meio ambiente é posto em xeque pelo alto grau de poluição e contaminação de rios, córregos, lagoas, lençóis freáticos e demais corpos hídricos em todo o país.

Como vimos, a coleta e o tratamento de esgoto são fatores fundamentais para um planejamento urbano que considere a constituição de cidades sustentáveis do ponto de vista socioambiental. Nesse contexto, as ETEs – Estações de Tratamento de Esgoto são estruturas fundamentais para garantir cidades mais sustentáveis.

ETEs – Estações de Tratamento de Esgoto

O caminho para o tratamento de esgoto se inicia com a coleta do mesmo em residências, comércio e indústria, através de redes coletoras, seguindo para as ETEs, onde receberá o tratamento adequado antes de ser lançado ao meio ambiente. É importante ressaltar que há ETEs onde é realizado apenas o tratamento primário do esgoto, ETEs em que são feitos tanto o tratamento primário quanto o secundário, e ETEs que além desses tratamentos também realiza o tratamento terciário do esgoto.

ETE – Estação de Tratamento de Esgoto de Indaiatuba. / Foto: SAAE Indaiatuba.

O tratamento primário de esgoto corresponde à remoção de sólidos em suspensão sedimentável, sólidos flutuantes e reduzida parcela de matéria orgânica. Enquanto que o tratamento secundário, por remover grande parcela de matéria orgânica e em alguns casos também parcelas de nutrientes como nitrogênio e fósforo, é mais eficaz. Já o tratamento terciário remove de forma complementar matéria orgânica, nutrientes e poluentes, realizando, assim, a desinfecção dos esgotos tratados (FEC – Unicamp). Considerando a conservação dos recursos hídricos para usos futuros, é recomendável que as ETEs e por isso mais recomendada para o tratamento adequado e manutenção dos corpos hídricos.

Etapas do Tratamento de Esgoto

Gradeamento: 

O esgoto domiciliar é composto geralmente de 99% de material líquido e 1% de material sólido, ao chegar à ETE é iniciada a etapa onde são retidos, através de barreiras formadas por grades, os resíduos sólidos. Há estações onde esse gradeamento é realizado de forma dupla: gradeamento grosso para retenção de resíduos sólidos maiores e gradeamento fino que objetiva a retenção de resíduos sólidos menores. Essa primeira etapa serve para separar a parte líquida do esgoto da parte sólida, muitas vezes descartada de forma incorreta como é o caso do lixo.

Etapa de Gradeamento. / Foto: Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental – DEHA/UFC.

Desarenação: 

Nessa etapa através da sedimentação é realizada a separação dos organismos menores, dos organismos maiores, em outras palavras, são removidos todos os detritos sólidos presentes que podem ter escapado na etapa anterior. Assim areia, cascalhos e outros elementos presentes no esgoto vão para o fundo do tanque, enquanto os materiais orgânicos ficam nas camadas superiores. A parte líquida que permanece na superfície segue para a próxima etapa do tratamento.

Etapa de Desarenação. / Foto: SOUZA, Weverton Gesiel de (2012).

Decantador Primário: 

Essa etapa representa a primeira etapa de decantação, onde em tanques o material orgânico sólido é misturado a fim de sedimentá-lo no fundo do tanque até assumir a forma de lodo. Já existem pesquisas que indicam que essa matéria orgânica decantada na forma de lodo pode ser utilizada como insumo agrícola.

Decantador Primário. / Foto: ALEH Saneamento e Arquitetura.

Peneira Rotativa: 

O lodo formado por decantação é submetido a um processo de centrifugação que separa a parte sólida da mistura em uma espécie de peneira que serve como uma nova fase de filtragem e separação. Desta forma, o líquido pode ser armazenado em tanques.

Peneira Rotativa / Foto: EnvironQuip.

Decantador Secundário:

Uma nova fase de decantação em tanques que separam os sólidos restantes através de sedimentação e reduzem mais matéria sólida em lodo.

Decantador Seundário. / Foto: SESAMM – Serviços. de Saneamento de Mogi Mirim

Adensamento do Lodo: 

Nesta etapa o lodo é filtrado, reduzindo o volume de água, para que seja retirada mais uma parte da matéria sólida, que é submetida a outros processos de filtragem.

Digestão Anaeróbica:

O objetivo dessa etapa é estabilizar a mistura através de processos químicos no lodo remanescente, neutralizando bactérias e gases nocivos. Após essa etapa o esgoto já está sem sólidos visíveis e pode seguir para o tanque de aeração.

Tanque de Aeração: 

Nesse tanque um processo bioquímico onde os resíduos orgânicos são transformados em gás carbônico, condensando a matéria orgânica que estava dissolvida no esgoto em flocos de lodo.

Tanque de Aeração. / Foto: SESAMM – Serviços de Saneamento de Mogi Mirim.

Condicionamento Químico do Lodo:

O lodo passa então por um processo de coagulação e desidratação, filtrando o lodo e retirando as partes sólidas do composto.

Filtro Prensa de Placas:

Novamente o lodo é filtrado por um processo de compressão mecânica, onde placas prensadas fazem todo o restante do líquido ser eliminado.

Secador Térmico: 

Nesta última etapa o lodo restante é exposto a altas temperaturas, evaporando, desta forma, qualquer líquido ainda presente no material.

Esse lodo gerado nas ETEs – Estações de Tratamento de Esgoto deve ser encaminhado para aterros sanitários, onde serão armazenados de forma adequada. A água resultante do processo de tratamento de esgoto pode passar por uma nova etapa de tratamento para que seja convertida em água de reuso.

 

Referências:

 

 

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *