ConsumoSemana TemáticaUrbanidade

Segunda Sem Carne: uma alimentação mais consciente

Segunda Sem Carne

A campanha “Segunda sem Carne” convida a repensar a ingestão de proteína animal. Veja como participar e impactos da ação no meio ambiente.

Segunda-feira é o “dia oficial” de tomada de novas resoluções, modificações de hábitos e transformações. A campanha “Segunda sem Carne” propõe conscientizar pessoas sobre o impacto do consumo de produtos e alimentos de origem animal na nossa sociedade, saúde humana e no planeta.

A proposta é retirar por um dia da nossa alimentação qualquer alimento de origem animal. O objetivo é incentivar a redução do consumo de carne e, consequentemente, o aumento do consumo de leguminosas, frutas, cereais e verduras, como recomendado pelo Guia Alimentar para a População Brasileira do Ministério da Saúde.

Imagem: Creative Commons

Existente em 35 países como Inglaterra e Estados unidos, a campanha foi lançada no Brasil em São Paulo em 2009 pela Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) em parceria com a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente (SVMA) da Prefeitura de São Paulo.

A campanha “Segunda sem Carne” se sustenta em quatro pilares: Preocupação com os Animais, Preservação do Planeta Terra e Saúde das Pessoas. Além disso, o movimento ainda motiva o descobrimento de novos sabores.

Pelos animais

Atualmente, são mortos cerca de 70 bilhões de animais terrestres (bois, porcos, frangos) por ano em todo o mundo para nossa alimentação. Isso sem contar os animais marinhos mortos pela mesma causa.

Imagem: Creative Commons

No Brasil, o panorama nada difere. Segundo dados do IBGE, do 2º trimestre de 2018, o número de animais abatidos no nosso país são de aproximadamente 1 boi, 1 porco e 175 frangos POR SEGUNDO. Essa feroz competição do agronegócio tem levado os produtores a tratar os animais como objetos e mercadorias, muitas vezes sendo criados com injeção de hormônios para permitir um crescimento mais rápido e abatidos em condições muito precárias.

Assim, o movimento defende que, uma alimentação sem ingredientes de origem animal é ética, saudável e sustentável. Assim como nós, os demais animais devem poder viver livres, juntos aos membros de sua espécie.

Pelo planeta

A pecuária representa uma das atividades humanas mais impactantes para o meio ambiente, pois consome grande quantidade de água, comida (grãos para alimentação), recursos energéticos, demanda uma grande área, causam contaminação de mananciais e erosão. E, pasmem! A pecuária é uma grande geradora de poluição atmosférica.

Imagem: Creative Commons

Pode parecer brincadeira, mas a produção de carne bovina – em especial, a flatulência das vacas – tem responsabilidade maior na emissão de gases do efeito estufa do que a quantidade de gás emitida pelos automóveis.

A pecuária é também a principal causa por trás da destruição de florestas tropicais e outras áreas naturais. No Brasil, a pecuária é a responsável pela maior parte do desmatamento na Amazônia Legal.

Outros dados sobre o impacto da pecuária no planeta:

  • Devido ao uso intensivo de água para produção de carnes, um consumidor médio de carne demanda indiretamente mais de 3.800 litros de água por dia, a chamada água virtual;
  • A produção de 1 quilo de carne bovina no Brasil emite cerca de 335 quilogramas de gás carbônico (CO2), o que equivale a dirigir um carro médio por cerca de 1.600 quilômetros;
  • A pecuária é responsável por 15,4% das emissões de gases causadores do efeito estufa oriundas das atividades humanas;

Pela saúde das pessoas

Uma alimentação centrada em vegetais favorece a prevenção de doenças crônicas e degenerativas como doenças cardiovasculares, hipertensão arterial, obesidade, diversos tipos de câncer e diabetes.

Imagem: Segunda Sem Carne

De acordo com estudos, uma mudança dos hábitos alimentares da população mundial para uma dieta à base de vegetais poderia evitar a morte de 8 milhões de pessoas até 2050.

Além disso, grande parte dos grãos produzidos mundialmente vai para a alimentação de animais, incluindo 60% do milho e da cevada e até 97% do farelo de soja. Em um planeta com 821 milhões de pessoas passando fome, as carnes demandam recursos escassos como água e terras agriculturáveis – que poderiam ser usados diretamente para alimentação humana.

Fontes: AwebicGlobo EsporteMetropolesSegunda Sem Carne

 

 

 

 

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *